domingo, 23 de julho de 2017

PRIMEIRO BASEADO

Ouvindo Rush. Aquela noite estava tranquila. Os ratos comiam seu jantar nos esgotos e cagavam pelas ruas onde costumávamos passear com nossas namoradas. Teve uma festa de rua típica e fomos todos prestigiar e quebrar a monotonia. Minha namorada me apresentou sua amiga Rosa, negra, sorriso claro, olhos pretos, rabuda e sexualmente encantadora. Desfilamos pelas ruas da festa e bebíamos todas as cervejas que podíamos. Elas estavam alegres e eu também, é claro, Rosa me deixava de pau duro com aqueles olhos me pedindo para chupar sua boceta. Deixei-as em casa e depois de um sarro no portão com minha namorada onde gozei e ela também resolvi passar a noite de vigília do outro lado da rua. Beto apareceu e ficamos conversando na calçada. Ele tirou um baseado e me ofereceu. Ainda não tinha fumado. Resolvi que aquele cigarrinho me deixaria acordado durante minha vigília. Fumei. 


Conversamos coisas desconexas e coisas conexas. Mas na verdade poucas coisas eu me lembro. Amanheceu e fui para casa. Mais tarde quando encontrei com minha namorada ela me disse que ficaram muito assustadas na noite anterior. Ouviram vozes e alguma coisa do tipo uma pedra foi atirada em cima da casa. Eu falei que fiquei com Beto até alguma hora na madrugada e fui para casa. Depois desse dia fiquei sendo enganado pela minha mente que insiste em pensar que eu atirei a pedra. Mas não tenho certeza disso. 

Nenhum comentário: