segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

DE QUE LADO SE SERVEM OS INÚTEIS ILUSTRES?

Por onde andemos, nós, os insignificantes plebeus, sempre seremos pisoteados pelas sandálias da humildade e o cínico discurso do bem. Eu garanto que alguém já deve ter pensado sobre isto. Sobre a perversidade dos humildes hipócritas que se apropriam do pensamento do povo durante séculos, e deles, por eles e só para eles os acordos e as benesses destes lhes é atribuída. Me refiro aos que se auto intitulam chamar-se líderes, quer sejam religiosos, políticos, sociais, na verdade um bando de gente interesseira e manipuladora que sempre come, bebe e vive do bom o do melhor as custas do sangue e do suor dos demais, segundo eles, por eles mesmos representados. Temos, entre tantos exploradores da ingenuidade das pessoas, dois grupos de humildes hipócritas que eventualmente manipulam o mundo com seus tratados escrotos e absolutos em ganancia e poder, os chamados católicos e os Israelitas palestinos, que se destacam neste belo início de calendário em 2016. Disfarçados de suas boas intenções e de boas obras, como promover a paz entre Israelitas Judeus e Israelitas palestinos, surgem estes dois grupos na mídia internacional com horrendas PROPOSTAS DE ACORDO DE PAZ. Estes dois grupos em especial, posam de um status quo irracional e intolerante, divulgam suas vontades e ambições ao mundo na forma e estilo de uma vontade, segundo eles, soberana e sagrada, a vontade de seus deuses. E com este discurso meia boca, encorajam-se em seus devaneios e delírios. O que é quase impossível de vencer. O que denuncio neste espaço é minha indignação com estes grupos, todos os grupos, é a sua estrutura de poder e de manipulação. Sempre somos surpreendidos por suas astúcias e manobras. Seus verdadeiros interesses não são expostos como verdade dos fatos que noticiam e ou querem fazer uns e outros crerem. O ápice da infelicidade humana reside nos corredores e salas obscuras ao conteúdo desta manobra. Somente o belo e bom instinto humano e a observação histórica seriam capazes de desmascarar tais grupos. Entretanto isto não é o suficiente. Os "santos e sagrados" senhores e donos da vontade humana e "divina",  segundo os próprios, se enfrentam há séculos, e o que se observa é a sua voracidade  e avidez pelo poder e pela dominação territorial.
É como se sempre houvesse uma cortina que os proteja, um juiz que os anistie, um deus que os defenda, em suma, muitos desconfiam destes aproveitadores mas, como que por mágica ou feitiçaria, nada podem fazer (seria medo?). E quem puxar melhor e com mais força o seu lado da corda, a estes, sempre serão os aclamados e ganhadores.