sábado, 8 de abril de 2017

TODOS TEMOS UM PREÇO



                                                          E não é à pagar. Todos nós temos um preço. Mas por que eu afirmo tal premissa sem ao menos citar um teórico reconhecido que possa me respaldar nesta argumentação tão polêmica e totalmente descabida? 
                                    Bem, sugiro que você pesquise no googlinself e revisite seus (pré)conceitos autorais e os julgue como casualmente você vem fazendo com os sentenciados e inescrupulosos corruptos de plantão. Sugiro ainda que você não se denuncie logo de cara, espere um pouco mais e analise cada sentença detectada. Depois, bem, depois você tem o direito de fazer o que quiser. Mas antes me acompanhe mais um pouco, serei breve e prometo que não quero lhe levar a conclusões absolutas em nenhuma das enunciadas que eu postar por aqui. Salvo se você concordar comigo. Sugiro que continuemos pensando se realmente temos um preço. Bem, eu já tive um problema com a conta da luz. entendem o que quero dizer, né? Também andei gastando mais do que deveria e me encontrei com um amigo parceiro que me tirou de um atoleiro. Depois ele me atolou mais ainda. Fui comerciante e sempre tinha o lanche dos policiais na madrugada, bem, a lista parece sem fim. Então se um insignificante (mal) escritor de blogs de internet consegue uma proeza destas eu me pergunto e você? A resposta a esta questão eu não quero nem saber. O que eu posso deduzir é simplesmente uma conjectura. Todos temos um preço. Parafraseando o velho rei do baião, "todo mundo tem um preço, pode olhar que tem" onde a letra da música diz "todo jumento tem uma cruz nas costas, pode olhar que tem".  

Nenhum comentário: